Dia dos Mortos

A tradicional festa que honra os parentes falecidos e surpreende a todos.

Ao contrário do que algumas pessoas podem pensar, o Dia dos Mortos no México é marcado por celebrações muito coloridas e alegres. Originalmente uma tradição indígena, que ganhou novos traços e costumes com a chegada dos europeus, nesta data os mexicanos honram os falecidos, celebrando a visita das almas dos seus antepassados à Terra. Assim, famílias e amigos geralmente se reúnem na noite de 1º de novembro para passar a noite nos cemitérios com seus entes queridos e celebram ao longo de todo o dia 2 de novembro, com o intuito de manter viva a memória daqueles que já se foram.

A festividade é reconhecida pela Unesco como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade e traz uma imensidão de cores, sabores e elementos característicos, como papeis picados e altares adornados com velas, imagens e oferendas – inclusive, a tradição diz que é por meio dos altares que os mortos encontram o caminho até seus familiares e amigos.

Além disso, a famosa caveira (La Catrina, que tornou-se o símbolo mais forte do evento nos dias atuais) e o “pão de morto”, que é uma iguaria que leva raspas de laranja e erva-doce, não podem ficar de fora..

Além da Cidade do México, onde milhares de moradores e turistas encontram diferentes festivais, desfiles públicos e festejos, a cidade de Oaxaca, por exemplo, é considerada um dos locais que mais preservam as tradições do Dia dos Mortos. A uma hora de voo da Cidade do México (ou seis horas de carro), ela é toda enfeitada com caveiras e altares nas praças centrais e o governo promove uma programação especial para os dias de festa.